Wilber é mascote do Gimp desde 1997

O GIMP (sigla em inglês para Programa de Manipulação de Imagens do GNU) teve seus primórdios como um projeto acadêmico pelos meados de 1995. Os então estudantes Spencer Kimball e Peter Mattis, da Universidade de Berkeley, deram início ao desenvolvimento de um programa de manipulação de imagens para ser apresentado como projeto acadêmico ao professor Richard Fateman.

Até então, nenhum dos dois possuía qualquer experiência em manipulação de imagens, porém  a ideia de desenvolver um programa como o GIMP foi vista como algo original e interessante, e junto com o incentivo do professor Fateman, decidiram avançar no desenvolvimento do aplicativo.

Após cerca de 10 meses de desenvolvimento (em janeiro de 1996) era liberado a versão 0.56, primeira versão do programa disponibilizada publicamente. Dentre outras características e ferramentas presentes até hoje no programa, essa versão já possuía um sistema de plug-ins, permitindo que outras pessoas desenvolvessem programas em separado que pudessem ser adicionados ao GIMP. Essa versão teve um grande apoio da sua comunidade de usuários, que estavam empolgados pelas possibilidades entregues pelo programa.

Apesar do grande avanço realizado em pouco tempo por apenas dois acadêmicos, o GIMP ainda possuía diversos problemas de instabilidade, tanto devido a plug-ins quanto ao seu programa principal, e a distribuição do programa para outros usuários era algo difícil de ser feita (devido ao uso de Motif como interface do programa). O começo do GIMP foi simples e humilde, não haviam metas ousadas para o futuro do programa.

Pouco após o lançamento da versão 0.56, Spencer Kimball e Peter Mattis criaram uma lista de e-mails de desenvolvedores e usuários do programa. Isso levou a um aumento no número de colaboradores no projeto, o que permitiu vencerem diversas dificuldades e contratempos que surgiram durante o desenvolvimento, como a substituição do problemático Motif pelo GTK, interface gráfica criada pelo próprio Spencer Kimball na época e em desenvolvimento até hoje pela sua comunidade de usuários.

Em 26 de fevereiro de 1997, com os avanços desenvolvidos versão após versão, o programa chegava na sua versão 0.99 e cada dia mais próximo de sua primeira versão estálvel. Porém, durante o caminho para esta esperada versão, Spencer Kimball e Peter Mattis se graduam na Universidade de Berkeley e passam a se dedicar a suas carreiras profissionais, abandonando o projeto GIMP.

Após estes acontecimentos, Matt Hawkins e Federico Mena Quintero realizaram o grande trabalho de reorganizar o projeto e levar a comunidade de desenvolvedores até a esperada versão estável 1.0, que teve seu lançamento em 3 de junho de 1998.

Desde então, o GIMP vem se tornando cada vez mais completo graças a contribuição de diversas pessoas em todo o mundo. Atualmente é um dos projetos em código livre mais bem sucedido, sendo a melhor solução livre e gratuita para profissionais e amadores de pintura digital, fotografia, design, entre outros.

 Comece a utilizar o GIMP agora mesmo!

Você pode baixar a última versão do programa em nossa página de downloads. O GIMP é gratuito e pode ser baixado e instalado em quantas máquinas desejar.

Há ainda o projeto Portable, que disponibiliza a versão portátil do GIMP. Dessa forma é possível levar o programa, e todas as suas configurações personalizadas, plug-ins, pinceis, e demais incrementos, junto com você em um pen-drive ou outro dispositivo portátil. Dessa forma, basta inserir seu dispositivo portátil em qualquer computador, e abrir o GIMP a partir do dispositivo. Para baixar esta versão, acesse a página de downloads.

Conhecendo a interface

Interface do GIMP 2.10 – Clique para ver em tamanho maior

Essa é a interface padrão do programa após instala-lo. Lembre-se que a interface do GIMP é totalmente personalizável,  e você pode alterar a posição dos elementos citados para o local que desejar.

1 – Menus do programa – Através das opções dos menus é possível abrir e salvar imagens, exporta-las para outros formatos de arquivos, editar seleções, criar camadas, adicionar efeitos, entre outros. Veja um breve resumo das opções de cada menu do programa:

Arquivo – Através desse menu é possível criar uma imagem em branco do zero, abrir as imagens do seu computador, salvar seu trabalho no formato de arquivo nativo do programa (XCF), e exportar seu trabalho para outros formatos de arquivo (como jpeg, png, gif, pdf, psd, entre outros), imprimir, entre outras opções.

Editar – Com esse menu é possível desfazer a última ação que você fez (atalho CTRL+Z), recortar uma parte da imagem selecionada (atalho CTRL+X), colar uma imagem (atalho CTRL+V), entre outros. Também é possível acessar a janela de configuração do programa clicando em “Preferências”, acessar os atalhos de teclado do programa (atalhos),  e as unidades de medida do programa (unidades).

Selecionar – Aqui você pode configurar uma seleção: selecionar toda a imagem, desfazer uma seleção já feita (atalho SHIFT+CTRL+A), fazer sua seleção “flutuar”, isto é, não estar fixada a nenhuma camada (atalho SHIFT+CTRL+L), aumentar e diminuir o tamanho de uma seleção existente, entre outros.

Visualizar – Nesse menu é possível configurar o zoom de visualização da imagem na janela do programa, girar a visualização da imagem para um melhor desempenho de desenhistas e coloristas,  colocar grades pra facilitar a sua edição, botar a sua imagem em tela cheia, mudar o zoom (atalho CTRL+Scrool/girar o botão do mouse pra cima ou para baixo), adicionar filtros de visualização para daltônicos, adicionar guias de orientação, grades, entre outros.

 Imagem – É possível alterar o modo de cor da imagem, sua profundidade de cores, espelhar ou rotacionar a imagem, configurar a resolução para impressão, entre outros.

Camada – Basicamente as mesmas configurações disponíveis no menu imagens, porém, aplicadas apenas para a camada que estiver ativa no momento.

Cores – É possível alterar o contraste, matiz, saturação, exposição, níveis, curvas de cores, inverter as cores da imagem, realizar ajustes automáticos de cores, entre outros.

Ferramentas – Basicamente você tem acesso a todas as ferramentas da janela de ferramentas (parte 2 da janela do programa).

Filtros – Os filtros permitem fazer efeitos complexos com poucos cliques. Faça efeitos de iluminação, distorção, entre outros. Você também pode criar filtros através do Script-fu, ou baixar filtros criados por outros usuários.

Janelas – Neste menu é possível abrir novas janelas de ferramenta do programa (como janela de camadas, histórico, etc), reabrir janelas fechadas recentemente, diálogos novos ou que você tenha fechado acidentalmente.

Ajuda – É possível acessar itens de ajuda do programa. Também é possível obter informações a respeito da versão do programa em execução, e dos desenvolvedores.

2 – Caixa de Ferramentas > Aqui você verá todas as ferramentas do Gimp, como a ferramenta de seleção, balde de tinta, texto, desfocagem, borracha, entre outros. Nesta parte da interface também é possível definir as cores de frente e fundo a serem usadas pelas ferramentas do programa.

Clique aqui para conhecer cada uma das ferramentas.

3 – Opções da ferramenta > Nesta região é possível realizar configurações na ferramenta selecionada na região 1 da interface. As opções que são exibidas dependem da ferramenta escolhida.

4 – Guia de imagens abertas > Nesta região é possível ver abas com miniaturas das imagens abertas no programa no momento. É possível alternar entre as imagens abertas clicando na miniatura da imagem desejada. Também é possível fechar a imagem ao clicar no “X” presente ao lado da miniatura da imagem.

5 – Visualização da Imagem > Nessa região é possível ver a imagem aberta no momento. É possível rotacionar a visualização da imagem atrvés do menu Visualizar > Inverter ou Rodar.  A linha tracejada amarela representa os limites da imagem.

6 – Status da visualização de imagem > Aqui é possível configurar o zoom ta visualização da imagem, obter informações a respeito de comandos de ferramentas sendo executadas, entre outras informações.

7 – Área de janelas encaixáveis 1 > Nesta área é possível agrupar diversas janelas do programa. Por padrão, estão inseridas aqui a janela de seleção de pincéis, texturas, fontes de letras, e histórico de documentos.

8 – Área de janelas encaixáveis 2 > Nesta área também é possível agrupar janelas do programa. Por padrão, estão inseridas aqui as janelas de camadas, canais e vetores.

A interface do programa é completamente personalizável. Você pode mover as janelas e alterar suas posições e tamanhos como achar conveniente.

Caso tenha dúvidas a respeito do uso do programa, acesse nosso fórum.